..ultimamente viagens, comidinhas, decor, passeios em São Paulo, cachorros!

sábado, 23 de março de 2013

Nacho Libre

O restaurante mexicano, filho único no restaurante week, é bem simples, mas, quando você sobe para o segundo andar fica paaaxonada, é tão lindinho, tão lindinho que da vontade de decorar um quarto daquele jeito!

Acabamos deixando de lado a opção do restaurant week pois o rodizio valida mais a pena e provaríamos tudo que tinha de bom lá! E olha que tinha! Tudo caprichadíssimo  pouca pimenta, apenas quando informava que vinha jalapeño, ai segura!

Olha o cardápio que legal!!! Formato de cactus! 






Estes nachos estavam crocantes modo máximo, e os molhinhos frescos e muito saborosos, bem temperadinhos!



Caveirinhas mexicanas!




Ótimo restaurante, recomendamos, comi nacho do começo ao fim e saí de lá feliz e satisfeita de ter encontrado um mexicano tão pertinho de casa também!!

E de quebra ainda fomos muito bem atendidos!

Fica nas Perdizes!

Camarão na Moranga

Esta primeira edição do Restaurant week de 2013 me trouxe muitas alegrias gastronomicas, mas, esta sem dúvida foi a melhor! Eu simplesmnente amo frutos do mar, paixão das antigas e em São Paulo como já descrevi, frutos do mar é sushi!
Esta belezura de restaurante fica a 5 minutos da minha casa, na Vila Leopoldina, ou seja, não preciso nem descer a imigrantes pra conseguir comer um peixinho delicia!

O restaurante parece que foi feito num galpão, e olha que se bobear foi mesmo viu!

Atendimento também impecável, adorei tudo!



De entrada um acarajé recheado de siri!


O prato principal era um badejo enrolado na folha de couve com farofa de camarão, deeeeeeeeeeeeeeelicioso! Com purê de mandioquinha!



E a sobremesa, meu pai, pudim de tapioca com farofa de coco! Pra comer de joelhos!



Os preços um pouco salgadinhos, mas, vale a pena pela qualidade. Afinal  não tem frutos do mar barato em SP como tenho em SC, mas, pelo menos este é certeza de alegria e felicidade pra encher a pança de camarão!!!

Fica na Imperatriz Leopoldina, no coração da Vila Leopoldina. 

Estación Sur

Eu havia reservado um restaurante de frutos do mar, eu juro. Mas, chegamos e era um argentino!
Tudo bem nada mal!

O restaurante é bastante aconchegante, com cara de casa, atendimento ótimo mas, o prato principal não estava lá estas coisas, não sei se por conta de ser a opção do restaurant week, mas, a carne estava dura. Dei uma olhada no cardápio principal mesmo já tendo escolhido que iria de restaurant week e os preços um pouco caros, mais caro que o 348 (que amei), então se bater vontade de ir num argentino esta não seria minha primeira opção! Mas de um modo geral, se fica mais fácil pra você já que este fica no Morumbi, vá!















domingo, 17 de março de 2013

Mercearia do Francês x Killa

Um francês e um peruano na mesma noite, duas experiências, uma desastrosa e a outra uma gostosura só!

Desde que começamos a estudar francês, tínhamos vontade de conhecer um lugar assim, tipo bistrô francês talvez apenas pra saber se entenderíamos o cardápio! E não foi combinado ou marcado. Fomos parar ai graças ao péssimo atendimento de um restaurante peruano que eu estava louca pra conhecer, o Killa.

São Paulo é a cidade da gastronomia neste país, eu acredito, eu acho. Talvez por não termos praias, não sei! Sei que São Paulo tem muitas, muitas possibilidades para todos os bolsos, paladares, restrições e gostos. E pela quantidade de gente, com um bom marketing, boa comida, é difícil um negócio legal não dar certo por aqui (também é minha humilde opinião).
Mas, com essa procura, as vezes (muito 'as vezes' porque a concorrência é grande então tem que ficar esperto!) o lugar começa a pecar no quesito serviço. 
Neste Killa, tudo começou errado já no telefone. Como estamos no restaurant week, ligamos e perguntamos sobre reservas. E a informação foi que não precisava de reserva. Ok, fomos até lá gastar nosso rico dinheirinho no que prometia ser uma ótima experiência, já que amamos ceviche. Chegando lá uma menina muito mal humorada ao invés de nos dar boa noite, já foi logo mandando: 'Têm reserva'??'. Oi? Ligamos e disseram que não precisava de reserva. A resposta foi: 'Talvez na hora que vocês ligaram não precisava de reserva, mas, agora já ta um pouco cheio'. Quase cai dura pra trás, não acreditei no que estava ouvindo. Enfim, depois de alguns segundos ela disse que tinha uma mesa, logo a frente da porta e o balcão. Sentamos na mesa e o show de horrores continuou. Vi outras mesas, em lugares melhores, visto que estava um friozinho em SP e a porta não parava de abrir, perguntei sobre a possibilidade de trocar de mesa, ai o garçon respondeu que estavam reservadas. Contei a história da ligação pra ele e o mesmo nem se deu ao trabalho de tentar responder, já deu um cutucão no gerente que veio rindo dizendo que não tinha jeito mas, que nos trocaria assim que vagasse uma mesa. 
Foi a gota d'água. Levantei, e fomos embora. 

Queridos restaurantes, se a pessoa liga perguntando sobre reserva e vocês tem um movimento alto, por favor, reservem mesmo que no momento especifico da ligação hajam mesas. Se a pessoa se programou, vale a pena reservar a mesa pra ela vocês não acham?

Enfim, esta foi nossa história com o Kila, péssimo atendimento, desorganização total. Serviço nota zero.
Mas, acredito que a comida seja boa, pois o restaurante estava cheio e os pratos que passavam perto de nós pareciam bem apetitosos.

Ai São Paulo é um chuchu! Porque assim que viramos a esquina, estava lá, um francês e um mexicano. E naquele dia encaramos o francês que foi uma grata surpresa, estava bem vazio, logo pude escolher a mesa que bem pretendi! :)

Não entendi muito o cardápio e achei que o garçom poderia ter explicado melhor algumas coisas, afinal a culinária francesa é bastante detalhista. Tudo leva um tempero, um queijo ou um preparo diferente. Mas nesta falta de muitas explicações, fomos de menu do chefe mesmo.

O menu do chefe parecia muito com o restaurant week, uma entrada, prato principal e uma sobremesa, o preço era 10 reais a mais que o restaurante week no jantar, mas, valeu!

De entrada pasteis de queijo brie. Curiosamente o recheio era avermelhado, não lembro deste queijo ter esta cor e como diria o Leandro, nem de ter gosto pois a vez que provamos brie achamos um queijo muito suave. Enfim, o pastel não me agradou muito, estava forte demais (e não consegui identificar o que), mas, foi um 'forte' que não me agradou, porque eu adoro queijos com gosto marcante. Já o Leandro adorou!


Enquanto o prato principal não vinha, reparamos que o lugar, apesar de ser bonitinho, podia ser mais arrumadinho, a decoração não parecia combinar sabe? E também não era um bagunçado legal. Não é desagradável  mas, o lugar tem potencial, podia estar com uma 'roupitcha' melhor pra acompanhar a deliciosa comida que serve!


A proposito, atendimento nota 1000!


De prato principal, salmão com ervas e risoto de tomate (tinha um nome especifico o tomate, não lembro qual , #fail). Mas estava deeeeeeeelicioso! Muito bom mesmo, um dos melhores salmões da minha vida. Levemente crocante por fora, macio por dentro e o molho de ervas, fenomenal. Puxava muito pra pesto, mas, deu pra sentir outros temperos também. O risoto estava no ponto certo e foi ótimo acompanhamento.


E ainda tinha que ter espaço pra sobremesa, o famoso crepe suzette. A massa é deliciosa, fininha, sem gosto de farinha. Desculpem minha ignorância  mas, eu achava que tinha recheio, e não tem. Tinha era essa calda maravis com gosto cítrico  Esta o garçom nos explicou que é por conta da laranja flambada no conhaque que é a base desta calda. Bastante doce, mas, muito gostosa por conta do toque cítrico (só parei de comer pois já não aguentava mais!!). Acompanhado dessa bolinha de sorvete de creme.

Curti te conhecer senhor crepe suzette! :)


A noite começou péssima, mas, um francês a salvou em traje de gala!

Mercearia do Francês! Nós fomos nas perdizes, mas, eles também estão em Higienópolis no Ibirapuera.

sábado, 16 de março de 2013

Mamaggiore

O que nos levou a este restaurante foi o Restaurant Week. O evento que tem ocorrido em várias cidades do Brasil, mas, que em São Paulo já mobiliza mais de 200 restaurantes, bares e afins, depois vou escrever especificamente um texto sobre o evento que acaba neste final de semana.

Escolhi o Mamaggiore pra começar pois era perto de casa, na Vila Leopoldina, já havia quase entrado neste restaurante com uma amiga, mas, desistimos. Aí, vi a proximidade, o cardápio e lá fomos nós!

O lugar é gostosinho mesmo, lembra um pouco o Andiamo por conta da queda d'agua que tem no mesmo estilo, é bonitinha também a parreira de uvas que enfeita uma parede quase inteira do restaurante. Fiz reserva mas, chegamos e estava bem vazio. Logo, uma porção de famílias começaram a chegar.

O local na Vila Leopoldina é perto de muitos prédios, na Carlos Weber, portanto via-se muita gente chegando a pé, gostoso de ver.

Enfim, de entradas pedimos o Ravioli de Gema. Primeiro parece que vai vir um prato de ravioli, mas, na verdade é um filho único bem generoso. Recheado com ricota e espinafre, e dentro da ricota, está a tal da gema, é cru, meio quente. Fiquei preocupada, achei que não fosse gostar por ser cru, mas, no final, é bom, é gostoso, da vontade até de pedir um prato só disso!
Ele vem na manteiga com sálvia neste pratinho com tomatinhos cereja, fofinho!








De prato principal, Fetuccini Verdi Mam Di Luca. Muito saboroso,  a massa no ponto certo, o molho é napolitano com tiras de filé mignon. Não sou muito chegada em queijo ralado, normalmente eu provo antes de deixar despejarem sobre o prato todo. Mas o de lá é maravilhoso, fresquinho!




De sobremesa, eu fui na mousse de chocolate belga com farofa de coco queimado. Normalmente eu não sou muito fã de mousse de chocolate, mas este estava delicioso demais! Bem geladinho e firme. 



E o Leandro foi de Crumble de Maçã, sorvete de creme com maçã cozida com licor, açúcar e canela. Gostosinho, preferi minha mousse, mas, ele adora maçã, então ele adorou a sobremesa que lhe competia. :)



Dei uma olhada no cardápio em geral pois é para isso que também vale o restaurant week, para você voltar nos restaurantes 'testados' e este voltaremos com certeza, os preços são bons, a comida excelente e o serviço perfeito.
Lugar para voltar e voltar!

http://mamaggiore.com.br
Fomos na Vila Leopoldina, mas o restaurante também se encontra na av Lorena.

segunda-feira, 11 de março de 2013

Um final de semana em Ilhabela!!

Sim, apenas um final de semana você aí já está dizendo, eu sei! Mas, foi o suficiente pra ficarmos com gostinho de quero muito mais: mais peixe, camarão sol, paisagens incríveis, mordidas de borrachudo, etc...

Sim, muitos borrachudos! A pessoa que vos fala, paranaense de sangue mas catarinense de coração e criação, cresceu indo para a praia. E em Santa Catarina quando a pessoa vai pra praia (primeiro que ela vai pra praia e não 'desce' pra praia como falam nossos amigos paulistas) ela só tem que ir, com um biquininho (tá, uma jaquetinha de quando em vez, ou um moletom...) e o sundawn!!! Porque praia 'meusamigo', tem cheiro de que?? Tem cheiro de sundawn não estou ganhando nada por esta propaganda ok? 

Engana-se você meu amigo, em São Paulo, praia tem cheirinho de OFF, sim, repelente para mosquitos! Pois antes do mar, tem a bela maldita, odiosa  serra do mar! Sim! e isto implica em muitos animais voadores sedentos por sangue. Borrachudos, pernilongos, toda a vida inseticida que você conhece e da pior espécie.

Então em São Paulo ao ir pra praia, não basta se emplastar de protetor solar, você também aplica uma camada de dois centímetros (renovável a cada ida ao mar diga-se de passagem) de repelente!

Tudo bem, passada a introdução ao mar paulista, vamos ao lado bom da vida.

Praia rima pra mim com peixe, camarão e todos os bichos feios do mar. E desculpa meusamigo paulista, sei que é difícil pra vocês, mas, frutos do mar não é SUSHI!!!

Então, após chegar da viagem pela maravilhosa odiosa Tamoios, numa sexta-feira de muito transito em São Paulo, encontramos nossa pousada e fomos direto para o centrinho comer, pois estávamos sedentos e famintos!

Andamos pelo centrinho e resolvemos parar no que parecia mais movimentado, chamado Copacabana vide ondinhas no chão do mesmo. Nota 7 pra ele, nem bom nem ruim, nem caro nem barato, mas, pela localização pedia algo mais na vida. Vá se estiver morrendo de fome, as porções saem rapidamente.








Passeamos um pouquinho pelo centrinho minusculinho e voltamos para o hotel, afinal, estávamos bem cansados mesmo da viagem de moto! Sim, fomos de moto, cortamos transito, sentimos vendo na cara, foi muito legal, uma boa experiência que com certeza repetiremos para fugir do absurdo que são as filas paulistas!




Nossa pousada chamava Vila das Velas, gostamos bastante, uma das vistas era essa daí da foto de baixo. 

Em Ilhabela, existem vários tipos de pousadas, hotéis luxuosos, enfim, para todos os gostos e bolsos como dizem por aí. Existem as acomodações no centrinho (lugar que eu achei que eu havia reservado, mas, acabou que a nossa era uns 4km do centrinho, sem problemas quando se está com transporte próprio), existem as acomodações próximas as praias mais distantes e existem as no meio do caminho (a nossa neste caso) onde você consegue custos benefícios melhores no meu ver. O centrinho não é tão necessário assim, visto que esta ilha não é do tipo ilhazinha onde você tem 1 farmácia, 1 igrejinha (tá, essa parte é verdade), 1 de cada coisa. Esta ilha tem moradores, tem escola de inglês, tem ônibus, muitas farmácias, mercadinhos, Cinemark mentira. E por aí vai, ou seja, se você ficar na praia mais afastada vai precisar se locomover até o centrinho, se ficar no centrinho vai precisar ir pra praia mais afastada (pois são as melhores), então não tem jeito, você vai se locomover! As distâncias não são pra ir a pé, mas, também não requerem uma viagem, tudo é perto, 4... 6 km.. tendeu?

No sábado o tempo tava aberto mas, assim, meio down. O mar mexido... Mas, eu estava feliz pois estava na praia ok!



Fiz amizade com a vizinhança linda da pousada!!!


E vimos coisas curiosas, como este caminhão WTF rebocando a lancha. Sim, como a água nestes canais é muito rasa, eles utilizam deste artificio brasileiro é uma coisa linda né gente pra estacionar a lanchinha do moço!


Ok, tiramos fotos enquanto aguardávamos o passeio programado na pousada mesmo, iriamos cruzar a ilha de Jipe! Isso mesmo, depois de 3h no dia anterior de moto, iriamos encarar 1,5h de Jipe em uma estrada bizarra!
Observação ecologicamente correta: esta ilha contem a maior reserva de mata atlântica, logo, não é permitido construir belas estradas pavimentadas no meio da ilha. Somente esta que utilizamos cheia de pedras, lama, lagoinhas e emoção. Vale o passeio, é divertido, fora que você faz amigos no jipe!



Muitas coisas bonitas para se ver nesta estrada, aliás, esta ilha é cheia de corregos, cachoeiras!


Tudo isso para chegarmos no outro extremo da ilha, na praia chamada Castelhanos. Uma praia bonita. Não é linda, é bonita! Um tanto quanto deserta, afinal pra chegar lá só encarando o Jipe, uma moto de trilha ou uma mão no bolso pra pagar a lancha (depois eu descobri que não precisa só alugar uma lancha exclusiva pra você por 2 ou 3 mil reais, existem algumas opção mais baratas onde você divide este custo com um grupo maior de pessoas, mas fica a dica pra quem quiser fazer estes tipos de passeios, é só aportar lá por umas 9h em Perequê onde fica o 'estacionamento' de lanchas e negociar seu passeio!!).


No Jipe já tivemos as orientações pega-turista que ok, admito, resolvemos seguir. Ficamos no barzinho do Alemão (ironia na praia dos Castelhanos) e logo que chegamos pedimos a caipirinha de folha de tangerina. Você olha pra ela e diz: mentirosa, você é um mojito! Mas, engana-se você, melhor caipirinha que não é de limão da minha vida! Bem gostosa mesmo! Provamos a versão cachaça e a versão vodca, a de vodca foi melhor.

* observação do passeio do Jipe: este passeio onde várias empresas atuam, conta também com uma trilha de 40 minutos pra ir e 40 pra voltar até a cachoeira do gato. O passeio é opcional, então todos chegam na praia e decidem se querem ir até a cachoeira ou não, nós iriamos, mas, não havíamos levado tênis para a caminhada. O guia não recomendou o passeio para os desavisados como nós, disse que de chinelo ou sem ficaria difícil, então desistimos e abrimos os trabalhos na praia mesmo! :) Dica, leve tênis!


(voltando...) E claro, uma linda porção de camarões! 
Observação catarinense novamente: amigos paulistas, por causa desta sua aversão a frutos do mar, tudo por aqui (leia-se no estado de São Paulo) é caro e bem, digamos 'mais ou menos' no quesito sabor x qualidade. Mas em Ilhabela achei que a comida é justa. Li muito sobre os altos preços da comida em Ilhabela mas, tive uma opinião diferente. Acredito que a comida lá é muito boa, logo se paga por isso. Claro que a classe média quer tirar férias num lugar assim, ai talvez fique difícil bancar os preços por 10, 15 dias, mas, é preciso ser justo, frutos do mar lá é muito bom e bem feito. As quantidades também são justas. Diferente de Santos e da própria São Paulo ou até do nordeste, onde estou acostumada a contar a meia-duzia de camarões que chegam nas porções por um preço que considero caro.
Então meu veredito é, a comida em Ilhabela é boa e tem seu preço. Não é absurdo, também não é barato.


Ok, voltando ao tema do post, Ilhabela. Esta é a vista da praia mesmo de Castelhanos, eu estava de costas pro mar tirando esta foto. Veja que são poucas barracas de sol, e lá atras meusamigo, é a 'serra' que tem na própria ilha, e que cruzamos de jipe!


Passeio a pé pela praia de castelhanos, encontramos este riozinho, aqui os borrachudos nos atacaram por trás (ui!) e nossas pernas até incharam de tantas mordidas. Cuidado você que é alérgico, isto pode ficar bem feio na sua pele. O que aconteceu aqui foi que, este bichinho maldito, gosta de água limpa, e não havíamos reforçado o repelente pra dar esta volta a pé, logo, foi a junção perfeita para o ataque!


Abaixo o cachorrinho (que aliás é um ponto negativo na ilha, muitos cachorros de rua, fiquei triste!) atravessando para ir para a vilinha caiçara. Muito bonitinho!


E ai, voltamos cheios de mordidas de borrachudos, fotos, camarões e histórias pra contar! De Jipe, again!!


No entardecer, já estavam lá as nuvens encobrindo a serra, mas, é tranquilo, nada demais! Fica lindo no meio da mata!



O passeio do jipe também conta com uma parada nesta cachoeira (que eu não lembro o nome, mas, fica perto de uma estação de energia elétrica desativada).


 Entardecer do nosso quarto... ai ai...


Bora comer? No sábado a noite escolhemos um lugar mais charmozinho, não estávamos mais desesperados de fome, então podiamos comer melhor, e que escolha!! Que sorte termos entrado ali, o lugar chama Mar e Bistrô e foi delicioso!
Atendimento nota 1000 e comida maravilhosa!!



Ainda ganhamos uma porçãozinha da ciabata produzida no próprio restaurante com pesto, maravilhosa!!!


Meu prato claro foi uma moqueca, esta tinha o nome de moqueca gourmet. Acompanhava um arroz soltinho e uma farofinha de coco deliciosa, maravilhosa, tudo de osa que mais tiver!


E o Leandro foi de Vermelho na folha de bananeira com legumes e suflê de queijo com banana, muito bom também segundo o dono do prato, e eu provei e adorei o suflê!




Ok, domingo fomos presenteados com este super sol!!!


 Fomos dar uma volta de moto e vimos paisagens incríveis, lindas mesmo, água clarinha, montanhas!


Resolvemos parar na praia das pedras miúdas  a primeira no sentido sul da ilha, água transparente, com a ilha das cabras a frente!! A água estava muito gostosa, mas, a praia realmente tem umas pedrinas no começo que machucam um pouquinho o pé! Nada demais também, o visual vale a pena uma ou outra pedrinha no pé :) !
Nesta praia alugamos um caiaque para duas pessoas e fomos remar, até que deu certo! depois nadamos um pouco com pé de pato, mascara e snorkel, nesta praia tem muitos peixinhos, bem fácil de ver!!





 Acabamos ficando apenas pela manhã nesta praia, já que voltaríamos para São Paulo pela tarde, mas, foi bom!

Voltamos para a pousada, que aliás falei pouco! Vila das Velas, acabei reservando pelo booking mesmo e deu tudo certinho, portaria 24 horas então não teve problema chegar tarde. As avaliações e o preço eram muito bons para Ilhabela. O site é um pouco caidinho, mas, vale a pena. Acabei não tirando foto do quarto, esqueci! Quando lembrava o quarto já tava bagunçado!! Mas, recomendo, quarto grande, limpo, banheiro ótimo!

Voltamos e paramos no caminho para almoçar, já eram quase 3h da tarde, então paramos em Maresias. Praia que eu também não conheço, apenas pela fama.

Praia de surfistas, gente bonita, mas, acho que não é muito minha praia não, gostei da vizinha, Boiçucanga, talvez seja lá nosso próximos final de semana em praias paulistanas!




Mas Maresias me ganhou pela boca!! Demos muita sorte também de escolher um restaurante a beira-mar, maaaaaaaaaaaaaravilhoso! 

Badauê, ótimo atendimento e ótima comida! Da uma espiada na nossa taboa de frutos do mar com molho de ervas e arroz selvagem? Pacabá com qualquer um!! Os frutos do mar estavam todos no ponto certo (atire a primeira pedra quem nunca comeu uma lula borrachuda!) e o tempero espetacular! (ai Liana, quanta palavra de efeito!)




Foi realmente um almoço pra fechar com chave de ouro, este final de semana maravilhoso!

É possível sim fazer de um simples final de semana uma experiência pra se dizer inesquecível  um pouco de boa vontade, pesquisinhas rápidas na internet e bom humor com os borrachudos, da pra ser feliz mesmo em poucos dias!! 

Ilhabela, I'll be back!!